+CULTURA

Série “O conto da Aia”. Ficção ou realidade próxima?

The Handmaid’s Tale (O conto da Aia no Brasil) não é da Netflix e sim da Hulu, outra plataforma de stream com ótimos conteúdos. A série já acabou, mas para quem ainda não assistiu, vale muito a pena ver.

Baseada no livro homônimo de Margaret Atwood, a história passa-se nos Estados Unidos, onde uma seita religiosa toma o poder do país transformando completamente a vida das pessoas. A série explora os temas da subjugação das mulheres e os vários meios pelos quais elas perdem individualismo e independência.

O romance distópico, de Margaret Atwood, se passa num futuro muito próximo e tem como cenário uma república onde não existem mais jornais, revistas, livros nem filmes e universidades, pois foram extintas. O direito ao conhecimento é para poucos, bem como várias profissões, como advogados, já que ninguém mais tem o direito a defesa.

Os cidadãos considerados criminosos são fuzilados e pendurados mortos no Muro, em praça pública, para servir de exemplo enquanto seus corpos apodrecem à vista de todos. Para merecer esse destino, não é preciso fazer muita coisa – basta, por exemplo, cantar qualquer canção que contenha palavras proibidas pelo regime, como “liberdade”. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. A mulher que for pega lendo terá um dedo cortado e se voltar a repetir, será então, a mão…

O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. Onde as mulheres não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado. A Offred coube a categoria de aia, o que significa pertencer ao governo e existir unicamente para procriar, depois que uma catástrofe nuclear tornou estéril um grande número de pessoas.

E sem dúvida, ainda que vigiada dia e noite e ceifada em seus direitos mais básicos, o destino de uma aia ainda é melhor que o das não-mulheres, como são chamadas aquelas que não podem ter filhos, as homossexuais, viúvas e feministas, condenadas a trabalhos forçados nas colônias, lugares onde o nível de radiação é mortífero.

A história centra-se na personagem de uma mulher, protagonizada por Elisabeth Moss que é separada da filha e do marido para ser Aia na casa de um membro do governo e sua mulher, Joseph Fiennes e Yvonne Strahovski, para procriar. Sua busca incessante pela filha e a revolução que tenta fazer são o foco da história.

Vale muito a pena assistir. Inquietante e assustadora, esta história fará você refletir sobre a atualidade, inclusive do Brasil…


Assista ao trailer:

Apoie o “A Gota”! Compre-nos um café. Clique aqui.

Um comentário em “Série “O conto da Aia”. Ficção ou realidade próxima?”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s